RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

70% dos estudantes deficientes auditivos estão atrasados na escola


11/02/2014 07h30 - Atualizado em 12/02/2014 11h02

Mais de 4 mil estudantes com surdez estão matriculados em Sergipe.
Educação especializada é uma das alternativas para favorecer o grupo.

Do G1 SE
Estudantes são orientados por professora (Foto: Patrícia Cavalho/G1)Estudantes são orientados por professora (Foto: Divulgação/Ipaese)
 
Uma pesquisa do Instituto Pedagógico de Apoio à Educação do Surdo de Sergipe (Ipaese) mostrou que aproximadamente 70% dos deficientes auditivos do estado estão atrasados em relação à idade e a série escolar. São mais de 4 mil alunos matriculados, incluindo a capital, segundo os dados da última pesquisa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (Inep).

Entre as causas que levaram a esse índice estão, para alguns estudiosos, as lacunas na educação do Brasil voltada para a pessoa com surdez até o fim de 1980. “Nessa época os deficientes auditivos recebiam a chamada ‘educação especial’ na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Na salas existiam pessoas de todas as limitações, da visual à  intelectual. Um local voltado mais para a área da saúde do que educacional”, observa o professor universitário, Daniel Neves Pinto.

Já a partir de 2002, a educação para esse grupo passou a contar com o apoio de legislações específicas, como a Lei 10.436, que institui as libras também como língua oficial dos surdos no Brasil. Com essa proposta eles começaram a estudar em salas de aula com ouvintes e passam a contar com a presença de um intérprete de libras.


Forma de aprendizado é destacada (Foto: Patrícia Cavalho/G1) 
 
'Educação com tradutor e intérprete favorece a política de inclusão', diz Maria Aparecida.
(Foto: Eugênio Barreto/Seed)
 
Educação inclusiva X especializada
Em Aracaju, o Colégio Estadual 11 de Agosto, no Bairro Getúlio Vargas, no Centro da capital, foi escolhido pelo estado para acolher a maior parte dos alunos com surdez.

Em 2013, foram matriculados 146 alunos, e apresentaram uma média de aprovação de 80% e apenas 14% foram reprovados, entre os estudantes do 2º ao 9º ano do ensino fundamental.

“A educação com tradutor e intérprete em sala de aula favorece a política de inclusão, mas não temos professores qualificados para atender todo o estado”, analisa Maria Aparecida Nazário, diretora da Divisão de Educação Especial da Secretaria de Estado da Educação de Sergipe (Dieesp).

De acordo com Talita Cavalcante, coordenadora do Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e Atendimento às Pessoas com Surdez, em 2011 foram contratados 59 intérpretes para atender as escolas da região de Aracaju, Lagarto, Estância, Itabaiana, Japaratuba, Nossa Senhora das Dores, Propriá e Nossa Senhora da Glória. “Gararu, a 161 km de Aracaju, ficou sem o profissional porque ninguém se candidatou”, lista Talita.

A escola pública não está preparada. Não tem professor especialista, que possua fluência em libras"
Elias Santos,
professor
A professora Kátia Cilene Santos Nascimento se candidatou na época para uma das vagas. “Mas saí antes de vencer o contrato. O salário é de R$ 750, sem direito a vale transporte e alimentação”, observa Kátia que apesar de verificar a importância do profissional em sala de aula identifica falhas no processo.

“Já fiquei em uma sala com quatro dificientes auditivos, um cadeirante e um aluno com deficiência intelectual. Uma turma muito mista que torna o processo improdutivo”, critica.

“A experiência é muito negativa. A escola pública não está preparada. Não tem professor especialista, que possua fluência em libras, além da sala de aula ser preparada apenas para os ouvintes”, observa o professor e presidente do Ipaese, Elias Santos que tem a história da filha como exemplo de tentativas frustradas com o sistema da educação inclusiva. “Foram 11 anos tentando incluir a minha filha em colégios do estado e município. Ela é um exemplo da distorção da idade, com três anos atrasada por conta de repetições”.
Caso de sucesso
Em 2013, o Ipaese teve mais de 120 alunos e teve uma aprovação de mais de 94% dos estudantes. “Aqui as aulas são montadas para o surdo. Com o uso de recursos visuais e material didático específico”, reforça o presidente do Instituto.


Geraldo destaca aprendizado  (Foto: Marina Fontenele/G1) 
Geraldo destaca aprendizado (Foto: Marina Fontenele/G1)
 
O professor de sistema de programação Web, Geraldo Ferreira Filho possui deficiência auditiva e também acredita que a educação especializada favorece a ascensão social e pessoal desse grupo.
“Durante muito tempo, eu estudei em escolas com ouvintes e foi muito ruim, pouco me desenvolvi, tinha muitas dúvidas e nenhuma comunicação. Quando fui matriculado no Ipaese me desenvolvi. Hoje eu trabalho, sou acadêmico, tenho autonomia porque tive a oportunidade de um estudo bilíngue”, defende.

 http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2014/02/70-dos-estudantes-deficientes-auditivos-estao-atrasados-na-escola.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.