RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Educação inclusiva para surdos avança no Paraná

Educação inclusiva para surdos avança no Paraná

Atualmente, 981 crianças com deficiência auditiva participam normalmente das aulas na rede pública do Estado

Mesmo que de forma lenta, a educação inclusiva para surdos, um direito garantido na Constituição Federal pela lei 7.853 de 1989, tem avançado ao longo dos últimos anos no Paraná. Segundo dados do Departamento de Educação Especial e Inclusão Educacional (DEEIN), vinculado Secretaria de Educação, o Paraná conta hoje com 981 crianças surdas frequentando as classes comuns do ensino regular (contando a rede estadual e a edução de jovens e adultos), um crescimento de 171% em oito anos.
Isso prova que crianças e adolescentes com necessidades especiais têm conquistado seus direitos, embora a falta de preparo dos professores e a dificuldade que o Estado encontra na hora de contratar intérpretes ainda dificultem a inclusão plena.
A política de inclusão das crianças com deficiências em escolas de ensino regular tem evoluído ao longo da última década em todo o Brasil, especialmente a partir de 2008, com a elaboração da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva pelo Ministério da Educação (MEC).
Naquele ano, dos 66.511 alunos matriculados, 40.389 (60,7%) estavam em escolas regulares, enquanto 26.122 (39,3%) frequentavam escolas especiais. Em 2010, o número total de matriculados já havia crescido 6%, chegando a 70.823, com 52.500 (74,1%%) surdos em escolas regulares e 18.323 (25,9%) em escolas especiais.
Segundo educadores do mundo todo, a inclusão só existe, de fato, quando há a mistura, a convivência entre ouvintes e surdos (ou portadores de outras deficiências) no mesmo ambiente.
“Educação inclusiva é dar acessibilidade na educação para um aluno que tem deficiência. No caso do surdo, vai ter o acesso ao currículo, ao conteúdo formal, na língua materna dele, que é a Libras”, explica Fabiana Ceschin Ribas, da área de surdez do DEEIN. Segundo ela, a educação inclusiva deve enfatizar a diversidade mais que a semelhança, assumindo que a vivência e a aprendizagem em grupos é a melhor forma de beneficiar a todos.
“No final das contas, quem ganha mais são os ouvintes, porque a gente aprende com a diferença do outro. As vezes achamos que temos algum limite, mas quando conhecemos o sujeito que tem uma deficiência sensorial e consegue dar conta, consegue vencer, o ouvinte acaba tendo um ganho. É como se fosse uma inspiração”, aponta Fabiana.
No Paraná, existem 250 instituições inclusivas que atendem surdos, espalhadas por 140 dos 399 municípios do estado. Uma das referências é o Instituto de Educação Erasmo Pilotto, localizado na região central de Curitiba. A instituição oferece ensino em tempo integral (das 8h30 às 18h), com 14 disciplinas no currículo e aula com acompanhamento de intérprete todos os dias para crianças a partir de 10 anos de idade até o terceiro ano do ensino médio.
Segundo o diretor-auxiliar do Instituto Erasmo Pilotto, Lourival de Araujo Filho, o estado hoje se coloca numa posição mais cumpridora dos deveres no que diz respeito aos surdos. “Hoje temos pessoas que trabalham diretamente com quem precisa dessa educação especial e os professores têm compreendido que não podem estar alheio às pessoas com necessidades e têm procurado se especializar”, diz.
“Mas ainda temos muito a caminhar, muito por fazer, embora o Brasil seja um país que está na frente dos outros. Em nossa escola mesmo, por exemplo, não temos como atender deficientes físicos, porque são s escadas, não temos rampas. Quando falamos em sociedade inclusiva estamos em um processo, mas o objetivo ainda est longe do alcançado.”
Surdos e ouvintes são iguais
Para que se garanta a inclusão, é necessário também garantir que haverá comunicação. Para tanto, é preciso que tanto alunos ouvintes quanto estudantes surdos tenham conhecimentos sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e a própria Língua Portuguesa, a fim de formar uma sociedade que consiga ser, de fato, inclusiva.
Em Curitiba, o Instituto Erasmo Pilotto é uma das instituições de ensino que melhor consegue atender essa diversidade. “Aqui, alunos surdos e ouvintes frequentam os mesmos espaços e convivem perfeitamente. Da mesma forma que os alunos surdos aprendem língua portuguesa, os ouvintes aprendem Libras. E isso é interessante, porque eles (ouvintes) gostam e isso gera comunicação dentro da escola. A gente não exclui. Se queremos uma sociedade igualitária, temos que pensar em todas as pessoas”, diz Lourival.
Mas não é apenas nas escolas que se faz inclusão. E um exemplo é Jacarezinho, no Norte do Paraná, onde policiais civis da 12ª Subdivisão Policial (SDP) estão fazendo curso básico da Língua Brasileira de Sinais. Está será a primeira delegacia do Brasil a ter policiais com capacitação em libras.
Segundo o investigador Adjairo José Flavio de Carvalho, pioneiro no curso de Libras, a ideia de levar as aulas aos colegas veio após uma dificuldade no trabalho. “Passei por uma situação em que atendi uma pessoa com deficiência auditiva e vi a necessidade de ter este conhecimento. Foi então que comecei a fazer o curso no Instituto Federal de Jacarezinho e apresentei a proposta ao delegado”, conta. Ideia que foi totalmente apoiada pelo delegado-titular da 12ª SDB, Marcos Fernando da Silva Fontes. “Com a realização deste curso, nossos policiais poderão atender de melhor forma, realizando as demandas da polícia judiciária”, aponta Fontes.
Em todo o Paraná, existem 31 núcleos de intérpretes mantidos pela Secretaria Estadual de Educação, que tem aumentado os investimentos ao longo dos últimos anos.

 http://diariodosurdo.com.br/2015/06/educacao-inclusiva-para-surdos-avanca-no-parana/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.