RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

sábado, 4 de abril de 2015

Estudantes com deficiência auditiva sofrem com falta de aulas especiais

Problema acontece em escolas da região noroeste paulista.
Lei diz que se deve ensinar a língua de sinais e a língua portuguesa escrita.

Estudantes que têm deficiência auditiva na região noroeste paulista sofrem com problemas nas escolas. A lei diz que eles deveriam aprender a língua de sinais e a língua portuguesa escrita na escola, mas na prática, não é o que acontece.
Em muitas instituições de ensino, esses alunos se sentem excluídos, ficam sem entender, não compreendem o conteúdo que os professores tentam passar e isso prejudica o desenvolvimento e o aprendizado dessas crianças.
Estudante de Poloni (SP), Maria Eduarda de Souza se comunica com a mãe com gestos e sons que só as duas conhecem. A menina vai completar 9 anos e embora frequente a escola desde pequena, ainda não conhece bem a língua de sinais.
A mãe dela, Simone de Souza, diz que a filha enfrenta problemas no aprendizado. “O que me deixa mais preocupada é a falta da sala de recurso, o que seria primordial para ela. Como ela não tem domínio na língua de sinais, ela teria que frequentar essa sala e a escola, nem o Estado me fornecem esse recurso na minha cidade”, afirma.
Além de não oferecer aulas de libras, a escola estadual onde Maria Eduarda estuda não está preparada para receber crianças surdas, mesmo aquelas que já têm domínio da língua de sinais. No ano passado, a menina passou seis meses, sem intérprete, em sala de aula e não entendia absolutamente nada do que a professora dizia. “É o que eu estou brigando desde o ano passado, eu quero uma educação primordial para minha filha, é direito dela”, fala Simone.
Segundo a Lei, todo aluno com deficiência auditiva tem direto a uma educação bilíngue em sala de aula. Isso significa que a criança surda tem que aprender na escola, primeiro a língua de sinais, depois a portuguesa, na forma escrita. O problema é que nem toda escola pública está preparada para colocar isso em prática.
A estudante Tatiane Silva tem 11 anos e vive a mesma situação que Maria Eduarda. A menina está na quinta série de uma escola municipal de São José do Rio Preto (SP) e ainda não sabe escrever direito. A tia de Tatiane Neuraci Silva se revolta coma falta de estrutura. “Essa nova lei de inclusão faz ela se distanciar dos outros alunos, porque ela não consegue aprender. Se tivesse alguém para poder passar para ela o que a professora ensina, ela conseguiria aprender”, diz.
Presidente da pastoral dos surdos de São Jose do Rio Preto, Leonor Bernardes Neves acredita que pelo menos a metade não tenha acesso a uma educação adequada. “Não está funcionando, não foi colocado em prática como deveria ser o aluno está mais excluído ainda”, afirma a presidente da pastoral.
Jaqueline Pandin é estudante e um exemplo de que só mesmo a força de vontade é capaz de reverter uma realidade tão difícil como esta. Ela tem 29 anos, é surda e está no terceiro ano de faculdade. A mãe dela Silvana Pandin precisou lutar incansavelmente para que a filha tivesse perspectiva de futuro. Hoje a sensação de orgulho, mas ela sabe que para muita gente concluir essa trajetória vai ser bem difícil. “Nós tivemos muitos desafios, são diversas dificuldades principalmente para eles que estão sendo recebidos pela inclusão, mas não sabem como isso está funcionando”, conta.
A Secretaria Municipal de Educação de São José do Rio Preto informou que hoje em dia cerca de 20 crianças e adolescentes surdos estão matriculados na rede pública e todos têm interprete em sala de aula. O dirigente regional de ensino Luís Reinaldo Lopes diz que o Estado presta acompanhamento a esses alunos. “Estamos seguindo esses casos para ter certeza de que haverá cumprimento da lei”, afirma.
Maria Eduarda de Souza se comunica com a mãe com gestos e sons que só as duas conhecem (Foto: Reprodução / TV TEM) 
Maria Eduarda se comunica com a mãe com gestos e sons que só as duas conhecem (Foto: Reprodução / TV TEM)
 
 http://g1.globo.com/sao-paulo/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2015/04/estudantes-com-deficiencia-auditiva-sofrem-com-falta-de-aulas-especiais.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.