RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

sábado, 2 de agosto de 2014

Música e dança ajudam a incluir deficientes auditivos

Ângela Baasch tem 11 anos e é estudante e dançarina. Ela visita escolas atuando num musical para apresentar às crianças a maneira pela qual os surdos - como ela e os outros atores - se comunicam. A música e a dança são linguagens da peça. Ela sente e interpreta orientada pelas ondas sonoras, mostrando que existe muita vida e agitação além do silêncio

Meire Cavalcante (novaescola@fvc.org.br)

Ângela Baasch, deficiente auditiva, dançando para os alunos da EM Nossa Senhora do Carmo. Foto: Marcelo Almeida
Ângela Baasch, deficiente auditiva, dançando para os alunos da EM Nossa Senhora do Carmo. Foto: Marcelo Almeida

O mundo dos surdos não é uma calmaria só porque nele não existem sons. As pessoas que não escutam são sensíveis à vibração do ar causada pelos ruídos e têm uma percepção extra que as faz reconhecer ritmos e notar quando alguém se aproxima. "Não ouço nada, mas sinto tudo. E isso me deixa feliz", diz Ângela. Aluna da 4ª série da EM Nossa Senhora do Carmo, em Curitiba, ela também é atendida por profissionais do Centro de Reabilitação Sydnei Antonio (Cresa), da Universidade Tuiuti do Paraná, onde aperfeiçoa o conhecimento em libras (Língua Brasileira de Sinais) e em Língua Portuguesa, aprende leitura labial e a se expressar oralmente.
"Ângela adora dançar. E precisa ter música", conta Ivanir Baasch, mãe da menina e de mais cinco filhos, três deles surdos. A comunicação em casa é feita com gestos, leitura labial, oralização e uma lousa na sala de jantar. "Ela me ensina as palavras certas", afirma, orgulhosa, a dona-de-casa, que parou de estudar na 2ª série e quer que a filha tenha uma profissão, case-se e seja mãe.
Na hora do recreio, Ângela exibe coreografias para as amigas, que imitam seus movimentos sintonizados com o ritmo que sai das caixas de som. A professora da 4ª série, Rosana Chicoski Francisco dos Santos, elogia o desempenho da menina: "Ela é esforçada e atenciosa. Fazemos atividades, com todos os alunos, nas quais as habilidades de Ângela sejam valorizadas", diz. Os especialistas do Cresa estão sempre em contato com os colegas da escola regular para tirar dúvidas e sugerir estratégias.
Além de se comunicar por libras, o surdo também pode aprender a falar pela metodologia da oralização. Nela, treina o reconhecimento de ruídos e sons e exercita a respiração e os órgãos que ajudam na fala. A técnica estimula o uso de aparelhos que amplificam os sons. Mas é preciso sentir-se confortável. "Aprender a falar não pode ser uma imposição, como foi no Brasil até a década de 1990, resultando em graves problemas escolares", adverte Ana Dorziat, professora da Universidade Federal da Paraíba. Só nessa época começou a ser aceito o bilinguismo, que é se comunicar em língua de sinais e ser alfabetizado na língua dominante. Há ainda a metodologia da comunicação total, que permite oralização e uso de gestos. Um exemplo é a Língua Portuguesa sinalizada, um código gestual para a estrutura do idioma (diferentemente de libras, que tem sistema linguístico próprio).


Planejamento a oito mãos
Mesmo que a criança surda aprenda todas essas técnicas, a visão é para ela o sentido mais importante. Por meio dela, entende o mundo. Isso a torna imprescindível no processo de aprendizagem. "Se houver fotos e ilustrações na sala regular, não é preciso mais nada de especial", diz a educadora Mirlene Ferreira Macedo, do Complexo Educacional Ameduca, em Uberlândia, a 560 quilômetros de Belo Horizonte, com três alunos surdos.
Além das salas decoradas com maquetes, pôsteres e cartazes, a escola conta com três profissionais especializados que usam recursos visuais diariamente: a instrutora de libras (que ensina língua de sinais); um professor com conhecimento em libras (responsável por explicar os conceitos das diversas disciplinas com sinais) e a professora de Língua Portuguesa, como segunda língua do aluno surdo, que o ajuda a memorizar a estrutura do idioma para usar nos textos escritos.
O trio acima junta-se ao professor da sala regular para fazer o planejamento. Exemplo: aulas sobre o antigo Egito. A instrutora de libras ensina os sinais que se referem ao contexto do conteúdo (faraó, pirâmide, sepultamento etc.) e ainda inicia os ouvintes da comunidade na linguagem. Já o professor em libras trabalha os significados desses conceitos e vocábulos. Tudo sempre com muitas figuras para ilustrar. É papel da professora de Língua Portuguesa ajudar todos a compreender e a elaborar textos escritos. Sua atuação é fundamental, porque em libras não há conjugação de verbos nem preposições ou artigos. Se o surdo quiser comunicar a frase "a menina vai à escola", pode fazer os sinais referentes aos substantivos e ao verbo em qualquer ordem. Porém, se quiser registrar essa mesma idéia no papel, precisa conhecer a estrutura formal do idioma.
Por isso, os alunos com deficiência auditiva têm atraso na escrita de quatro anos, segundo Fabíola da Costa Soares, professora da disciplina na Ameduca, mas com esse acompanhamento estão aptos para aprender com os demais. "É importante que pais e professores saibam que esses estudantes têm o direito de ser educados também por especialistas na sua primeira língua (libras)", explica Ana Dorziat. "Se não for assim, eles estarão excluídos do processo de aprendizagem."


Notas merecidas
Esse direito demorou a fazer parte da vida de Meire Queli Melo Silva, 19 anos, de Jequié, a 370 quilômetros de Salvador. A mãe descobriu que a garota não ouvia quando ela tinha 6 anos. Só aos 12 anos ela entrou na 1ª série de uma escola regular, depois de ser alfabetizada numa instituição para surdos. "Os professores não sabiam como ensiná-la, davam nota somente para que ela passasse de ano e a menina não aprendeu como deveria", conta Sara Evangelista da Conceição Soares, professora especializada itinerante, que dá aulas numa escola estadual para Meire. Agora ela não aceita ser promovida de graça e faz questão de participar de todas as atividades. Sua história de aprendiz começou a mudar na 5ª série, quando a professora de Língua Portuguesa decidiu aprender libras. "Ficou tudo mais fácil", lembra a jovem.
Hoje ela está na 8ª série do Centro Educacional Presidente Médici, onde conta com a ajuda de duas tradutoras: as colegas Daiana Bento e Roberta Sales, que tomaram gosto por libras e estão estudando a língua. Para superar essa barreira, as amigas não mediram esforços. Nem os professores. O de Geografia, Almerindo Pimentel da Silva Júnior, arrisca usar as mãos para se comunicar com ela. "Ele faz alguns sinais tortos, mas eu corrijo", brinca Meire. Ela conhece suas limitações e as compensa com esforço. Em um dos trabalhos da disciplina, os grupos apresentaram um telejornal. Almerindo pediu a Meire para fazer a tradução simultânea em libras. Para dar conta do recado, a garota levou o texto para Sara, com quem aprendeu os sinais que não sabia e o vocabulário específico da matéria.
Assim como a mãe de Ângela (a garota do início desta reportagem), a de Meire também faz planos para a filha. "Espero que ela tenha uma profissão, pois deficiência é problema", afirma a mãe, Maria Glória Melo Silva. "Quero viver bem e ser professora de crianças surdas, como a Sara. Mas para isso preciso ter calma e seguir os conselhos da minha mãe", emenda Meire.


Atividades e estratégias

Atitude do professor
Em sala, fale sempre de frente para o aluno surdo (se ele souber ler lábios), escreva no quadro e utilize textos impressos.
Informações em imagens
Enriqueça as aulas produzindo murais com palavras, conceitos e conteúdos (a classificação gramatical das palavras, a conjugação de verbos, os dias da semana, os meses, as festas etc.). Você pode ainda elaborar pastas temáticas com imagens para cada assunto estudado.
Gramática
Faça jogos com fichas sobre questões gramaticais com respostas alternativas e destaque a correta. O adversário lê a pergunta e vê a resposta certa. Quem errar perde a vez. Se a criança surda não souber ler lábios, peça para um aluno escrever as questões num papel ou no quadro. Outra brincadeira interessante pode ser feita recortando períodos ou frases de um texto e embaralhando-os. As crianças devem ordená-los, treinando a sequência lógica e o uso de palavras que fazem a ligação entre os trechos.
Compreensão de texto
Para saber se o aluno surdo entendeu um texto, peça que ele desenhe período por período. Isso mostra quais palavras se perderam ou não foram entendidas. Faça também perguntas que remetam aos elementos da sentença: Quem? O quê? Onde? Assim, o aluno aprende a conjugação verbal e o uso de preposições, artigos e conjunções.

Quer saber mais?
. Centro de Reabilitação Sydnei Antonio, R. Jacinto Antunes da Silva, 650, 80620-420, Curitiba, PR, tel. (41) 3332-7571
. Centro Educacional Presidente Médici, Av. Princesa Isabel, s/no, 45201-180, Jequié, BA, tel. (73) 3525-7614
. Complexo Educacional Ameduca, R. Cirineu Menezes, 261, 38408-614, Uberlândia, MG, tel. (34) 3215-0515
. EM Nossa Senhora do Carmo, R. Carlos de Laet, 4130, 81650-040, Curitiba, PR, tel. (41) 3278-3248

 http://revistaescola.abril.com.br/formacao/musica-danca-incluir-deficientes-auditivos-563717.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.