RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

quarta-feira, 19 de março de 2014

4 MESES DE IMPLANTE COCLEAR ATIVADO

Por  em 

Mr-Peabody-Sherman-final-poster
Acabei de perceber que hoje é dia 18 e deixei passar o dia 11/03, quando completei 4 meses de implante coclear ativado. Esse último mês não foi fácil. Dia 25/01 tive consulta em Porto Alegre e comentei com a fonoaudióloga que tinha começado a perceber uma coisa esquisita. No final do dia, bem na hora de dormir, notava que o que eu ouvia vinha junto com um “rrrrrrrr”. Era coisa pouca e rápida mas, mesmo assim, quando a gente usa algo como aparelho auditivo ou IC nota na hora quando há algo de errado, por mais que venha o Papa dizer “você está doido!”. Eis que o tal “rrrrrrr” começou a dar as caras com mais frequência. Foi piorando cada vez mais, a ponto de me enlouquecer. Comecei a ficar absurdamente irritada, chorava por qualquer motivo, era grossa com as pessoas, precisava de remédio pra dormir e me acalmar. Até que, numa sexta-feira, me desesperei e fui atrás de solução. Quando tive esperança de ter resolvido, voilà: o IC passou a desligar e ligar sozinho a cada 10 minutos além do “rrrrrrrrrr” ser incessante, o tempo inteiro, da manhã à  noite. Novela mexicana define. Último capítulo: nova programação do IC deixou ele bem mais baixo. E uma pessoa desatinada por ouvir sempre mais e o mais rápido possível sente dificuldade com isso. Dos males, o menor, afinal, em dias de desespero absoluto cheguei a imaginar que o problema era na parte interna do implante.
Moral da história: um IC bilateral salva a pessoa de uma situação dessas. Se um pifar, tem o outro para te salvar do silêncio. Na verdade, o problema não é o IC pifar (no meu caso é sim porque moro numa cidade sem suporte algum para implante coclear, qualquer coisa preciso sair correndo para POA ou Rio feito louca às pressas) mas voltar pro silêncio (no meu caso, pro silêncio e pro zumbido). Já comentei aqui que a barra mais difícil de segurar é a psicológica, e por experiência própria continuo afirmando isso categoricamente. Não acho lá muito legal ou útil comentar todos os pormenores de algum problema com IC porque penso que isso pode assustar alguém que está prestes a tomar a decisão mais importante da própria vida. Mas acho importante deixar registrado que a barra psicológica é intensa. Você volta a ser ‘normal’ de supetão, mas sequer estava preparado emocionalmente para essa ‘normalidade’. A cobrança das pessoas ao redor aumenta muito. Todos acham que você virou um ser humano perfeito que escuta e entende tudo e que nunca mais passará por perrengue algum relacionado à surdez. Nos primeiros meses pós-cirurgia todos são compreensivos e calmos mas, após algum tempo acostumados à sua nova condição, isso desaparece. Lembro de um dia em que fui almoçar com o Alexandre Lopes e o Pietro Rigamonti, da POLITEC. O Ale me olhou e disse: “Nossa, Paula, como a sua voz está diferente! Você está falando baixo, pausado, articulando bem cada palavra“. Aí, olhei para o meu namorado (na real os três foram almoçar e eu fui de intrusa) e disse: “Tu conhece só o meu depois. O meu antes, tu não conhece.” Então, é especialmente esquisito quando alguém passa a te conhecer após essa ‘normalidade’ (as aspas são pelo fato de que IC desligado ou sem bateria é volta à jato para a falta de som) sem ter conhecido a pessoa que você era pré-IC. Muita piração? Pois é, concordo. Não vejo a hora de fazer implante coclear no ouvido esquerdo…
Deixando o chororô de lado, vamos falar de coisa boa. O quarto mês de IC me trouxe uma das maiores surpresas de todas. Daquelas impensáveis. Me convidaram para ir ao cinema assistirPeabody&Sherman. Um desenho animado. Um desenho animado DUBLADO. Não dá pra ler lábios de personagens de desenho animado. Nunca na minha vida entendi uma palavra de qualquer filme/desenho/programa dublado. Pânico. Terror. Taquicardia. Vontade de sair em disparada no melhor estilo Forrest Gump. E agora, José? Pra não bancar a medrosa apavorada 2014, fui. Mas fui pensando que iria ficar mexendo no celular o filme inteiro, já que não entenderia porcaria nenhuma. Comprei um penico de pipoca doce e me toquei a encarar o dragão.
9
Eis que começou o filme. Eis que entendi TUDO o que o cachorro disse (a dublagem foi feita pelo ator Alexandre Borges). Minha cara de espanto era essa aí acima. “COMO ASSIM EU ESTOU ENTENDENDO UM MALDITO FILME DUBLADO COM VOZ DE CRIANÇA?”. Da série ‘coisas que só um implante coclear faz por você’. Algumas coisas que o Sherman disse eu não entendi, mas,who cares? Aprendi que conviver com crianças é muito divertido, pois elas têm solução para tudo. Algumas pérolas que ouvi de crianças no último mês:
  • Você consegue ler a boca do vento?
  • Você entende o que as pessoas falam de longe olhando para a boca delas? Você podia ser espiã!
  • Como assim se você tirar o IC você não ouve nada? Que mentira, isso não existe.
  • Já sei como você pode entrar na piscina comigo: vamos pegar um prego e prender o IC na sua cabeça para ele não cair!
Em tempo: já consigo tirar longas sonecas usando meu implante. Se bobear, posso até dormir a noite inteira com ele caso esqueça de tirar. :)
http://cronicasdasurdez.com/4-meses-de-implante-coclear-ativado/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+CronicasSurdez+%28Cr%C3%B4nicas+da+Surdez%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.