RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Programa Espaço Escuta em São Paulo: porque escutar é mais do que ouvir


Programa Espaço Escuta em São Paulo: porque escutar é mais do que ouvir

por Carla Rigamonti
‘Apesar de ter aberto suas portas em setembro de 2011, o Programa Espaço Escuta já existe no desejo de seus fundadores há muitos anos. Antes por meio de curiosidade, desejo e conversa: o Presidente da Politec Saúde perguntava para a Cris Ornelas, que trabalhava num centro SUS de implante coclear: “Cris, como tá o pessoal implantado?” e a Cris respondia: “Olha, estão indo bem, mas falta apoio e orientação às famílias”. A Cris sempre usou uma metáfora que eu gosto muito: “às vezes é como se eles tivessem uma Ferrari, mas não soubessem dirigir”. Eu nem sei se a metáfora é dela mesmo, mas foi um ótimo ponto para nós começarmos a pensar na nossa forma de intervenção.
A lacuna que encontramos no atendimento às crianças usuárias de implante coclear e suas famílias é em relação ao aspecto psicossocial da linguagem. E parece simples, mas não é. Explico: aqui as fonoaudiólogas, os psicólogos, as assistentes sociais e a terapeuta ocupacional se propõem a trabalhar a linguagem em seu sentido mais amplo, como aquilo que estrutura as pessoas e como única forma de inserção no mundo; e para isso nos propomos a escutar. Acreditamos, assim, que o implante coclear cumpre muito bem a sua função de proporcionar o acesso aos sons, ou seja, de proporcionar uma vivência semelhante ao ouvir, mas que para escutar há muitos outros aspectos envolvidos.
IMG_6907
Para proporcionar uma estimulação contextualizada da linguagem, assim como promover a inclusão social, fazemos todas as nossas atividades dos Projetos de Intervenção no coletivo. Esses projetos são divididos em: Pré Escolares (2 a 5 anos), Escolares (5 a 11 anos) e Curso de Verão (4 a 10 anos, residentes fora de São Paulo, esse grupo vem passar uma semana aqui com a gente em janeiro). Nesses grupos, dificilmente conversamos com crianças ou cuidadores separadamente, porque acreditamos que o coletivo tem muito a contribuir para cada um individualmente. Mas dividimos o pessoal: adultos e crianças têm espaços separados, com atividades específicas para cada um. A linha de trabalho com as crianças é a estimulação lúdica, seja ela livre ou dirigida. Uma atividade livre é a Brinquedoteca, momento no qual as crianças podem pegar o brinquedo que quiserem para brincar sozinhas ou com as outras. Por outro lado, na atividade dirigida temos uma proposta específica que é apresentada ao grupo e tem relação com o tema de trabalho do nosso semestre. Em ambas as atividades estão presentes psicólogo, fonoaudióloga e terapeuta ocupacional, que trabalham de forma interdisciplinar cada um dos aspectos da sua área, considerando o singular E o coletivo. Parece complexo – e é mesmo. Tanto que no final de cada grupo sentamos juntos para trocar ideias, impressões e pensar nas próximas semanas.
IMG_5696-001
Para os adultos nós oferecemos três tipos diferentes de atividades. O Encontro é uma conversa com algum dos profissionais: pode ser com a Cris, que é fonoaudióloga (aquela que eu falei lá em cima, hoje ela é Coordenadora do Setor de Linguagem aqui no Espaço!), a Luciana, que é assistente social, ou até o pessoal da Assistência Técnica da Politec Saúde que vem uma vez por semestre ajudar a limpar, guardar e entender as peças dessa complexidade que é o implante coclear. No mesmo horário do Encontro, em semanas alternadas, temos a Oficina que, sinceramente, é o momento mais esperado pelos adultos. Ela tem uma proposta de atividade artesanal que os cuidadores desenvolvem ao longo do semestre. É um momento de pensamento livre e é muito gostoso. O objetivo é descontrair mesmo: imaginamos que todo mundo merece um intervalinho na semana e tentamos aqui garantir o dos nossos usuários. E tem também o Grupo de Pais, coordenado por um psicólogo e com co-coordenação da assistente social. Nesse grupo o pessoal pode falar livremente, sobre o que quiser. Às vezes todo mundo fala ao mesmo tempo, às vezes fica um silêncio que deixa todos constrangidos. Como incomoda o silêncio, né? Mas na maioria das vezes o grupo tem um movimento coletivo, onde os cuidadores podem falar sobre as dificuldades que têm ou tiveram em relação à criança surda, à aceitação da surdez, à dificuldade da decisão sobre o IC (vocês sabem do que eu estou falando, não é fácil colocar um filho pequenininho para passar por uma cirurgia), enfim… Muitas vezes falamos também dos pais que não estão lá e que têm dificuldade de apoiar as mães, dos maridos que não dão a atenção desejada à mulher e aos filhos, e inclusive dos outros filhos que às vezes acabam não tendo tanta atenção, muitas vezes eles têm que ceder, afinal o Fulano (filho surdo) não entende tão bem quanto ele, né? É, isso acontece com mais pessoas do que vocês imaginam. E também falamos de coisas nem tão bonitas, motivo pelo qual protegemos o espaço do grupo de pais com o sigilo, ou seja, com o cuidado de guardar com carinho e não espalhar por aí o que conversamos lá.
IMG_6286
Tem ainda no projeto de intervenção uma atividade mensal que chamamos de Adulto Também Brinca. Aí sim juntamos todo mundo. Trazer os cuidadores para brincar com as crianças ajuda o nosso trabalho técnico e permite mudanças nas relações, quando os cuidadores podem ver através dos profissionais que existem outras formas de troca, brincadeira e estimulação da comunicação das crianças. Não é que nós conhecemos melhor ou sabemos mais, mas sim que estamos de fora e podemos fazer pontuações, trabalhar junto, construir novos caminhos buscando a melhor qualidade de vida e de comunicação.
Definimos nosso trabalho aqui no Programa Espaço Escuta como complementar: é necessário a criança ir à escola, fazer programação no centro de IC, fazer terapia fonoaudiológica e usar o aparelho sistematicamente para poder frequentar o nosso serviço. É necessário também que a criança seja usuária de implante da marca Cochlear, já que somos um serviço gratuito para os usuários, 100% patrocinado pela Politec Saúde. Para algumas famílias o Espaço torna-se mais do que complementar, porque aqui a surdez pode ser encarada de outra forma, ou porque aqui eles percebem que a surdez não é a grande questão. Às vezes há outros problemas familiares em jogo, às vezes encontramos entraves psíquicos que impedem que a criança se comunique pela fala. Muitas vezes os pais chegam com uma expectativa específica (ex: “que o filho fale”) e com o tempo podem pensar sobre por que o filho não fala ainda e qual é a implicação deles nisso. Ou ainda: com o tempo o Programa torna-se também para eles, e não só para os filhos. Por isso que entendemos aqui como um espaço terapêutico.
A participação do Projeto de Intervenção tem duração mínima de um semestre e a continuação é conversada com a família. No momento estamos recebendo inscrições para o início em agosto. Se você tiver interesse em conhecer o Programa Espaço Escuta ou saber mais sobre o nosso trabalho pode entrar no nosso site, Facebook (Programa Espaço Escuta – Politec Saúde) ou dar um ligada aqui (11.3052.2013), quem vai atender provavelmente é a Nilce, além de assistente social ela é nossa secretária. Se você for de fora da cidade de São Paulo, convidamos a nos visitar quando estiver por aqui e, quem sabe, se programar para participar do nosso Curso de Verão, que será do dia 10 a 18 de janeiro de 2015.’

 http://cronicasdasurdez.com/programa-espaco-escuta-em-sao-paulo-porque-escutar-e-mais-do-que-ouvir/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+CronicasSurdez+%28Cr%C3%B4nicas+da+Surdez%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.