RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

sexta-feira, 23 de maio de 2014

O papel do psicólogo no processo de implante coclear

O papel do psicólogo no processo de implante coclear

Já comentei em alguns posts sobre a barra psicológica que o implante coclear traz para as nossas vidas antes, durante e depois da cirurgia. Gostaria de ter feito acompanhamento psicológico com um profissional que entendesse muito desse mundo (surdez, implante, aparelhos auditivos) desde o início. Pensando nisso, decidi convidar a Carla Rigamonti para escrever um post – e já aproveito para pedir a vocês sugestões de temas para outros posts escritos por ela, que comanda o Programa Espaço Escuta em São Paulo.

 IMG_6599
‘Durante a minha experiência como psicóloga na avaliação de pacientes adultos candidatos ao implante coclear em um serviço público, mais do que frequentemente ouvia os pacientes me falarem: “o médico/ a fono falou que agora só falta você…”. Em geral, essa afirmação era seguida por uma pergunta: “é só uma vez, né?” ou então: “vai demorar muito?”. Eu que não demorei muito a perceber que o psicólogo torna-se uma pedra no caminho dos adultos ou dos pais de crianças surdas que buscam o implante coclear… Mas por quê?
A Psicologia tem se dedicado a estudar as áreas mais variadas da surdez e do implante coclear. São realizados estudos relacionados à qualidade de vida e ao desenvolvimento cognitivo de usuários de implante coclear, assim como de questões emocionais relacionadas ao paciente e sua família. Eu sou psicóloga e sigo a linha psicanalítica no meu trabalho, explico desde já, uma vez que o tom dessa escrita será a partir da minha experiência. Mas enfim… Estudos e Psicanálise já explicados, por que mesmo é necessária a avaliação com a psicóloga?
A experiência de ser ou tornar-se surdo, ou ter um filho surdo engloba aspectos psíquicos existentes em todos os seres humanos, não somente nos surdos. Mas a forma como a surdez é vivida pode trazer sofrimento – e não é pouco. Para mães ouvintes que recebem o diagnóstico de que o recém nascido é surdo, por exemplo, o momento da notícia exige uma energia emocional enorme para uma acomodação da novidade no psiquismo: as expectativas que foram depositadas no feto durante a gestação, que servem como uma espécie de “ninho emocional”, podem ser radicalmente questionadas quando se sabe que o filho não ouve. Aí que nós, psicólogos, falamos da necessidade de um luto do filho esperado que não veio, e reitero aqui a importância desse luto: ele permite que os pais possam investir emocionalmente no filho real, e desse trabalho de elaboração abre-se um espaço emocional de poder aceitar e observar o filho em sua potencialidade.
Um ponto importante é que, quando a ferida está aberta, dói demais cutucar. E os psicólogos sabem disso. O que as equipes de implante coclear pensam, entretanto, é que é fundamental escutar esse momento de dor ao invés de tamponar o sofrimento, oferecendo o implante coclear como uma solução. É importante entender por quais motivos os familiares sofrem, quais são as queixas deles, e até que ponto essa demanda pode ou não ser cuidada com o implante coclear. Apesar de ter sido vista “como uma pedra no meio do caminho” de tantos implantes, em meu trabalho com grupos de pais no Programa Espaço Escuta aprendi que os familiares vêem a atuação do psicólogo como importante, principalmente como alguém com quem eles puderam se abrir emocionalmente ou como um membro da equipe que atentou para o fato das expectativas em relação aos resultados não se concretizarem da forma que os pais os imaginavam. Aliás, já ouvi mais de uma mãe falar que gostaria de ter conversado com um psicólogo antes. Dessa forma, entendo que temos que falar sobre uma ferida ainda aberta (e que os pais ou o paciente só querem que essa ferida deixe de existir), mas só o fazemos por acreditar que isso contribui para a saúde da família; saúde em seu sentido integral, o psiquismo aqui incluído.
Quando a deficiência auditiva é no adulto, temos duas possibilidades: casos como o da Paula Pfeifer e da Lak Lobato, em que a deficiência auditiva é uma realidade vivida desde a infância e com a qual elas lidaram e lidam até o momento. E também casos de adultos ouvintes que perdem a audição, o que implica na necessidade de uma adaptação e de mobilização de energia psíquica no sentido de buscar novas formas de trocar, compartilhar, conviver, mas sem o sentido da audição. Não me parece uma tarefa nada fácil, assim como não imagino uma pessoa não sofrer psiquicamente com essa mudança. Não porque seja ruim ser surdo, mas porque simplesmente não se é mais o que sempre foi. Uma questão importante a ser explorada nos casos de adultos são as expectativas, e aqui os psicólogos vão além do “falar ao telefone” ou “ver televisão sem legenda”. Atentamos, sim, ao que está latente no discurso, ou seja, às mudanças que são esperadas, mas não necessariamente referidas conscientemente pelo paciente. Sempre aqui me lembro de uma amiga que emagreceu mais de 10 kg em um ano: antes e durante o processo, o que motivava ela, a sua maior expectativa, era de que mais magra ela se sentiria mais confiante, conseguiria um namorado, teria mais respeito dos outros, enfim. Imaginem que a mudança do corpo dela foi radical, mas ela se decepcionou quando não se verificaram todas as expectativas que ela tinha, e aí que acontece a frustração. E claro que a frustração faz parte de ser humano, mas quando ela se torna mais intensa que a motivação, quando ela acaba com as energias da pessoa, é necessário dar espaço para entender o que realmente traz sofrimento: minha amiga queria emagrecer ou queria ser mais confiante? Tem como mudar a forma como os outros nos veem sem mudarmos a forma como nós mesmos nos vemos? Retomando, portanto, o contexto do implante coclear, entendo que poder falar sobre as expectativas e trabalha-las com um psicólogo antes do implante ajuda a lidar com as decepções, sejam elas grandes ou pequenas, no momento posterior à cirurgia.
Dessa forma, não é papel do psicólogo adequar expectativas, acabar com frustrações, ou dizer se um paciente é “bom ou ruim” para o implante coclear. Não, nada disso. É nossa função escutar o que os pacientes dizem, escutar em quais pontos há sofrimento e abrir um espaço para elaboração da notícia da surdez (seja a própria, seja a do filho), porque acreditamos que assim o paciente e/ou a família estarão melhor preparados para a cirurgia e, principalmente, para a (re)habilitação auditiva. Também pontuo aqui a importância de ter uma experiência de atenção psicológica prévia à cirurgia e, portanto, um vínculo com um profissional que possa ser retomado após a cirurgia, quando novas questões e angústias possivelmente surgirem.
psicólogos muito competentes e acolhedores por todo o nosso país, tanto nas equipes de implante coclear como em clínicas privadas. Como disse no começo desse texto, o sofrimento humano é sempre único, singular – em surdos, ouvintes, cegos, pais, filhos. Se, no entanto, vocês quiserem buscar um profissional que tenha experiência na área da surdez e do implante coclear, coloco aqui algumas pessoas que são referências em suas cidades. Em São Paulo eu tive excelentes professoras, destaco aqui a Rosa dos Santos, que atualmente trabalha na equipe de IC do Hospital das Clínicas e também em consultório particular. Uma ótima professora foi também a Midori O. Yamada, que está há anos à frente da equipe de Psico do Centrinho, em Bauru. Na região Sul destaco a psicanalista Maria Cristina Petrucci Solé, que estudou aspectos psíquicos da surdez desde sua pós graduação. No Rio de Janeiro recebo sempre indicação da Gisele Montricard, que trabalha com a equipe do Fundão e tem clínica particular. Tanto a Gisele quanto a Maria Cristina sabem também a Língua Brasileira de Sinais, para os interessados. Estou destacando aqui somente algumas das profissionais com quem já tive contato e que são muito bem recomendadas pelas equipes de implante coclear. Se alguém tiver interesse em buscar profissionais em outras cidades, posso ativar minha rede de contatos e verificar o psicólogo conhecido mais próximo.
E se você for familiar de uma criança usuária de implante coclear, indico que você nos visite no Programa Espaço Escuta, localizado em São Paulo. Aqui nós, psicólogos, promovemos grupos terapêuticos entre pais de crianças usuárias de implante coclear. É um trabalho que eu amo realizar e que os pais afirmam ter grande importância. Nós realizamos muitas outras atividades, com uma equipe interdisciplinar que cuida das crianças e dos familiares inclusive, mas isso é tema para outra conversa…
Agradeço muito à Paula pela oportunidade de contar um pouco sobre esse trabalho com o qual eu aprendo tanto. O Crônicas da Surdez funciona, sem dúvida, como um grande grupo de apoio terapêutico virtual, onde os adultos surdos podem se identificar e compartilhar expectativas, desejos, medos, enfim. Não vejo a hora de a Paula visitar o nosso Programa… E prometo: quando isso acontecer, vou fazer de tudo para organizarmos um grande encontro, onde todos os usuários de IC e suas famílias aqui de São Paulo possam conversar com a criadora do Crônicas da Surdez!’

 http://cronicasdasurdez.com/o-papel-do-psicologo-no-processo-de-implante-coclear/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+CronicasSurdez+%28Cr%C3%B4nicas+da+Surdez%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.