RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Aluna com déficit auditivo vai cursar direito na UFPR: 'Novos horizontes'

Lívia Armentano Sargi, de 17 anos, lê 30 livros por ano e quer ser juíza.


Lívia Sargi lê um livro por semana e sonha ser juíza (Foto: Arquivo pessoal/Sosana Armentano) 
Lívia Sargi visitou a UFPR e está animada com o início das aulas (Foto: Arquivo pessoal/Sosana Armentano)
 
A estudante Lívia Armentano Sargi, de 17 anos, ficou encantada com o campus da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba. A jovem de Jaboticabal (SP), aprovada em sexto lugar no curso de direito pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), foi conhecer a faculdade e a cidade onde vai passar os próximos anos. “É uma ruptura muito grande com a minha antiga rotina. Mas representa um novo começo, novas chances e novos horizontes”, disse Lívia, empolgada com tanta mudança.
A aprovação na UFPR é um passo importante no sonho de vida da adolescente de no futuro se tornar juíza. E uma vitória de quem compensou uma deficiência auditiva com muita paixão pelos estudos e pelo conhecimento.
Lívia tinha seis anos quando foi diagnosticada com uma perda neurossensorial bilateral moderada, que comprometia em 50% a sua audição. Ela já estava alfabetizada e passou e sentar na primeira fileira da classe para tentar entender melhor o que a professora dizia. E compensou a dificuldade em ouvir com uma paixão devoradora por livros.
A estudante lê em média 30 livros por ano. “Quando criança, eu não conseguia assistir televisão nem nada desse tipo porque não entendia o que era dito. Isso impulsionou a minha paixão pela literatura”, explica Lívia, que tem em Jorge Amado, Charles Dickens e o espanhol Carlos Ruiz Zafón seus autores prediletos. "De certa forma, a deficiência contribuiu muito para eu me tornar uma boa aluna."
Tanta leitura ajudou Lívia a tirar nota 1.000 na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Além da UFPR, ela também foi aprovada em primeiro lugar na Faculdade de Direito de Franca.
Lívia sabe quer fazer a diferença como bacharel em direito e um dia se tornar juíza.
“Eu sempre ficava muito triste quando lia histórias e notícias de injustiças acontecendo pelo mundo. Quando eu tinha unas dez anos eu prometi pra mim mesma que, se um dia eu pudesse fazer algo pra mudar isso, eu faria todo o possível. E o direito foi a forma que eu encontrei de honrar isso, de fazer a diferença em uma coisa que sempre me pareceu precisar de mudança”, afirma Lívia.
Perfil de juíza
Lívia Sargi no Parque Tanguá, em Curitiba (Foto: Arquivo pessoal/Rosana Armentano) 
Lívia Sargi no Parque Tanguá, em Curitiba (Foto: Arquivo pessoal/Rosana Armentano)
A mãe de Lívia é advogada, e vê na filha potencial para chegar nos cargos mais altos da carreira de direito. “Ela tem o perfil para ser juíza. Gosta muito de leitura, escreve muito bem, está sempre atenta a tudo o que acontece. Gosta muito de defender as minorias, muito feminista, a situação do negro e está sempre atenta aos problemas sociais”, diz Rosana Armentano, mãe de Lívia.
Em meio aos estudos, a jovem também deu aulas de reforço escolar para estudantes carentes no Lar Santo André, instituição filantrópica ligada ao do Colégio Santo André, parceiro do FTD Sistema de Ensino, onde Lívia estudou desde o segundo ano do ensino fundamental.
Com o auxílio de aparelhos que ajudam a suprir sua deficiência auditiva, Lívia espera ter muito sucesso em uma carreira que exige também muita oratória, Lívia. “A deficiência não afetou diretamente a minha oratória”, explica. “Nunca tive dificuldades para defender meus pontos de vista e acho que também não me impedirá de alcançar o meu objetivo.”
Aos estudantes, ela dá o recado: “Continuem se esforçando e lutando muito pelo que querem que a recompensa chegará”.

http://g1.globo.com/educacao/noticia/2015/02/aluna-com-deficit-auditivo-vai-cursar-direito-na-ufpr-novos-horizontes.html


Lívia Sargi lê um livro por semana e sonha ser juíza (Foto: Arquivo pessoal/Sosana Armentano)Lívia Sargi visitou a UFPR e está animada com o início das aulas (Foto: Arquivo pessoal/Sosana Armentano)
A estudante Lívia Armentano Sargi, de 17 anos, ficou encantada com o campus da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba. A jovem de Jaboticabal (SP), aprovada em sexto lugar no curso de direito pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), foi conhecer a faculdade e a cidade onde vai passar os próximos anos. “É uma ruptura muito grande com a minha antiga rotina. Mas representa um novo começo, novas chances e novos horizontes”, disse Lívia, empolgada com tanta mudança.
A aprovação na UFPR é um passo importante no sonho de vida da adolescente de no futuro se tornar juíza. E uma vitória de quem compensou uma deficiência auditiva com muita paixão pelos estudos e pelo conhecimento.
Lívia tinha seis anos quando foi diagnosticada com uma perda neurossensorial bilateral moderada, que comprometia em 50% a sua audição. Ela já estava alfabetizada e passou e sentar na primeira fileira da classe para tentar entender melhor o que a professora dizia. E compensou a dificuldade em ouvir com uma paixão devoradora por livros.
Paixão por livros
A estudante lê em média 30 livros por ano. “Quando criança, eu não conseguia assistir televisão nem nada desse tipo porque não entendia o que era dito. Isso impulsionou a minha paixão pela literatura”, explica Lívia, que tem em Jorge Amado, Charles Dickens e o espanhol Carlos Ruiz Zafón seus autores prediletos. "De certa forma, a deficiência contribuiu muito para eu me tornar uma boa aluna."
Tanta leitura ajudou Lívia a tirar nota 1.000 na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Além da UFPR, ela também foi aprovada em primeiro lugar na Faculdade de Direito de Franca.
Lívia sabe quer fazer a diferença como bacharel em direito e um dia se tornar juíza.
“Eu sempre ficava muito triste quando lia histórias e notícias de injustiças acontecendo pelo mundo. Quando eu tinha unas dez anos eu prometi pra mim mesma que, se um dia eu pudesse fazer algo pra mudar isso, eu faria todo o possível. E o direito foi a forma que eu encontrei de honrar isso, de fazer a diferença em uma coisa que sempre me pareceu precisar de mudança”, afirma Lívia.
Perfil de juíza
Lívia Sargi no Parque Tanguá, em Curitiba (Foto: Arquivo pessoal/Rosana Armentano)Lívia Sargi no Parque Tanguá, em Curitiba (Foto: Arquivo pessoal/Rosana Armentano)
A mãe de Lívia é advogada, e vê na filha potencial para chegar nos cargos mais altos da carreira de direito. “Ela tem o perfil para ser juíza. Gosta muito de leitura, escreve muito bem, está sempre atenta a tudo o que acontece. Gosta muito de defender as minorias, muito feminista, a situação do negro e está sempre atenta aos problemas sociais”, diz Rosana Armentano, mãe de Lívia.
Em meio aos estudos, a jovem também deu aulas de reforço escolar para estudantes carentes no Lar Santo André, instituição filantrópica ligada ao do Colégio Santo André, parceiro do FTD Sistema de Ensino, onde Lívia estudou desde o segundo ano do ensino fundamental.
Com o auxílio de aparelhos que ajudam a suprir sua deficiência auditiva, Lívia espera ter muito sucesso em uma carreira que exige também muita oratória, Lívia. “A deficiência não afetou diretamente a minha oratória”, explica. “Nunca tive dificuldades para defender meus pontos de vista e acho que também não me impedirá de alcançar o meu objetivo.”
Aos estudantes, ela dá o recado: “Continuem se esforçando e lutando muito pelo que querem que a recompensa chegará”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.