RYBENINHA

RYBENINHA
SINAL: BEM -VINDOS

DÊ-ME TUA MÃO QUE TE DIREI QUEM ÉS



“Em minha silenciosa escuridão,
Mais claro que o ofuscante sol,
Está tudo que desejarias ocultar de mim.
Mais que palavras,
Tuas mãos me contam tudo que recusavas dizer.
Frementes de ansiedade ou trêmulas de fúria,
Verdadeira amizade ou mentira,
Tudo se revela ao toque de uma mão:
Quem é estranho,
Quem é amigo...
Tudo vejo em minha silenciosa escuridão.
Dê-me tua mão que te direi quem és."


Natacha (vide documentário Borboletas de Zagorski)


SINAL DE "Libras"

SINAL DE "Libras"
"VOCÊ PRECISA SER PARTICIPANTE DESTE MUNDO ONDE MÃOS FALAM E OLHOS ESCUTAM, ONDE O CORPO DÁ A NOTA E O RÍTMO. É UM MUNDO ESPECIAL PARA PESSOAS ESPECIAIS..."

LIBRAS

LIBRAS
" A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório." J. Schuyler Long

LIBRAS

LIBRAS
"Se o lugar não está pronto para receber todas as pessoas, então o lugar é deficiente" - Thaís Frota

LIBRAS

LIBRAS
Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz.... apenas um Ser livre de preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver.” Luiz Albérico B. Falcão

PEDAGOGIA SURDA

PEDAGOGIA SURDA
PROFESSOR BILÍNGUE

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS

QUANDO EU ACEITO A LÍNGUA DE SINAIS
“ A língua de sinais anula a deficiência e permite que os surdos constituam, então, uma comunidade lingüística minoritária diferente e não um desvio da normalidade”. Skliar

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Surda pré-lingual e biimplantada: a história da Cacaia

Cacaia

Eu perdi a audição por volta de um ano e sete meses de idade. A causa mais cogitada é infecção nos ouvidos, que atingiu a minha cóclea.
Fui bastante estimulada por toda a família que é numerosa do lado paterno e materno e tenho sete irmãos. Então graças à família numerosa eu vivia dialogando e isso contribuiu bastante no desenvolvimento da minha fala. Minha mãe, avós e tias são da área da educação e esse também foi o diferencial na decisão da escolha da escola regular por onde estudei por anos – Instituto Montessori Criança Feliz em Belo Horizonte MG – e lá fui muito bem assistida e feliz. Sempre estudei em escola regular, na mesma turma que os ouvintes e não aprendi a LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, tampouco necessitei dela. A minha mãe sempre foi a favor da minha oralização. Na época (anos 80), na cidade onde eu morei, as escolas “especializadas” em surdos misturavam os surdos com deficientes mentais na mesma sala. AINDA BEM que minha mãe me poupou disso! Pois imagino eu, que se eu tivesse sido matriculada neste tipo de escola, com certeza eu não seria tão bem estimulada como fui e eu não teria me tornado a pessoa que sou hoje: independente, extrovertida, sociável, observadora, esperta e muito tagarela,rs!
Em 1985 eu iniciei o acompanhamento com uma excelente psicopedagoga dos quatro anos até os dez anos de idade, pois não existia o profissional de fonoaudiologia na minha cidade. Esta psicopedagoga tem uma filha surda e por este motivo ela teve todo o tato e sensibilidade ao desenvolver e me preparar para o mundo da melhor maneira possível. Ela se tornou uma grande amiga. Também devo muito a ela pelo meu progresso. Foi através dela que desde pequena eu aprimorei a minha leitura labial, a minha fala e a capacidade cognitiva. O amor dela por mim fez tamanha diferença na minha vida.
Eu usei o AASI – Aparelho de Amplificação Sonora Individual no ouvido direito dos meus quatro anos aos dezessete anos, mas sem nenhum ganho auditivo. Usava-o por imposição familiar. De certa forma o AASI me ajudou apenas na direção sonora, mas nunca discriminei uma palavra com ele. Eu não gostava de usá-lo, pois com ele todos os barulhos do ambiente ao mesmo tempo eram como se fossem um só barulho. Com ele eu era incapaz de discriminar os vários barulhos ao meu redor ao mesmo tempo.
Na infância eu sofri muito bullyng na escola. Mas eu não deixava barato, enfrentava com braveza quem me discriminava. Na adolescência eu conquistei o respeito dos colegas do colégio através dos esportes, pois eu era uma das melhores atletas e sempre me destacava nas olimpíadas esportivas. Ali o preconceito diminuiu um pouco. E dos dez anos até dezessete anos eu fui atleta de vôlei de um clube, sendo federada. Fui levantadora titular do time e tive um ótimo entrosamento com a equipe. Eu tirava proveito, pois nos jogos eu lia os lábios das jogadoras da outra equipe e deduzia as estratégias de ataque e então eu avisava o meu time. Depois que me aposentei dos esportes, ao iniciar a faculdade eu me enveredei no mundo da dança de salão. Fui monitora de dança de salão numa academia de dança e amo dançar! Meu ritmo preferido é o forró e modéstia a parte, eu danço muito bem. Na dança, eu já não usava mais o AASI.
Formei-me em administração de empresas e fiz MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Nunca precisei de intérprete, afinal, eu sou oralizada, faço leitura labial com louvor e não sei nada de LIBRAS – Língua Brasileira dos Sinais. Mas não foi fácil, dificuldades eu sempre encontrei no caminho e elas foram essenciais para o meu amadurecimento. Tive muito jogo de cintura nas salas de aula, procurei sensibilizar os professores da maneira mais cativa e os livros e colegas eram o meu refúgio quando eu não conseguia captar a matéria.
Eu sempre fui uma pessoa bem resolvida com a minha deficiência auditiva, e creio que o fato de eu ter ficado surda tão pequenina fez-me encarar a surdez como parte de mim, como algo natural, embora eu me sentisse como uma ouvinte, pois eu tinha uma vida tão normal e independente e o meu convívio sempre foi com ouvintes.
O implante coclear entrou na minha vida em 2013 e eu já havia me mudado para Santa Catarina a trabalho. E então fui incentivada por uma nova amiga fonoaudióloga que não se conformava por eu não usar o AASI e ter uma boa desenvoltura na fala. Naquela altura do campeonato eu já não tinha mais esperança que os AASI de última geração pudessem me dar uma audição de verdade, devido às minhas experiências frustrantes com os AASI que tive. E foi essa insistência amigável que me levou a investigar os meus ouvidos e descobrir o que de fato estava errado neles uma vez que a medicina auditiva evoluiu tanto. O destino me levou para Vitória-ES e corajosamente eu decidi fazer o implante coclear bilateral e “pagar pra ver” a diferença que ele faria na minha vida…ainda incrédula, confesso. Eu estava tão segura da minha decisão, pois além de eu sentir a bênção de Deus, eu não tinha nada a perder. Afinal, caso desse errado não ia mudar em nada na minha vida e eu continuaria levando a vida numa boa e com a mesma leveza de antes e tão em paz com o silêncio. No dia 13 de dezembro de 2013, após 32 anos de privação sonora (não conto com o tempo que usei o AASI pois ele foi ineficaz para mim) eu fui ativada e desde o primeiro dia foi amor à primeira vista com o mundo dos sons! <3 strong="">
Eu jamais imaginei que o implante coclear pudesse me trazer tanta, mas tanta felicidade!!!
Descreverei as primeiras emoções sonoras depois de dois dias ativada:
  • Ouvir música (apenas o ritmo) no táxi (estava tocando Cazuza) e ao mesmo tempo a conversa entre meu pai e o taxista. Eu CONSEGUI diferenciar a música e a conversa paralela e ainda “viajar” na música!! QUASE PIREI!!
  • Ouvir as vozinhas mais gostosas e doces da face da terra: meus amados sobrinhos Helena de 3 anos e Davi de 2 anos dizendo “Tia Cacaiaaaa”!! MORRI DE AMORES!!
  • Ouvir pela primeira vez o interfone da casa da minha avó. Eu quis entrar e apertei o interfone e ouvi o vozeirão do meu irmão dizendo o óbvio,rs: “Quem é?” Antes eu colocava os dedos no interfone pra sentir a vibração e responder na hora certa e não parecer uma doida na rua falando sozinha “é cacaia, é cacaia”, rsrsrs
  • Ouvir a turbina do avião e ao mesmo tempo a voz da comissária de bordo no avião…engraçado, pois viajar de avião para mim é tão comum que de repente eu percebi ali algo diferente, só por ouvir!
  • À noite fui até a praia onde moro e só havia eu, o mar e DEUS! Foi SENSACIONAL ouvir o vento, o mar e os piados das corujas buraqueiras que ali habitam! Fechei os olhos, degustei os chocolates de amarula e mergulhei no ÊXTASE!!
  • Eu estava na cozinha e o meu cãozinho Tinoco estava no andar de cima, eu o chamei e OUVI os passinhos dele descendo a escada!! Não me contive, caí num choro longo de alegria abraçada com o meu Tinoquinho!
SENHOR, OBRIGADA, OBRIGADA, OBRIGADA pelo milagre da minha audição!!! Eu não sabia que seria tão bom ouvir!! Haja coração!! Nesta noite eu dormi com um sorriso no rosto e com a alma e coração em paz!
Devo MUITO a Deus por tocar e preparar toda a minha família para me guiarem no caminho certo. E também sou eternamente grata pela psicopedagoga-fono, pelo maravilhoso trabalho, sensibilidade, profissionalismo e amizade comigo, atributos que trouxeram ótimos resultados na minha vida. Deus em sua infinita misericórdia me proporcionou uma vida tão abençoada. Ele me deu forças para encarar todos os obstáculos do preconceito, das dificuldades, adversidades e principalmente aos desafios da vida. Louvo a Ele por tudo, pelo milagre da minha audição através do implante coclear. Hoje eu sou uma pessoa muito, mas muito, muito, muito FELIZ!
Maria Clara Dornellas, 33 anos.’

 http://cronicasdasurdez.com/surda-pre-lingual-e-biimplantada-a-historia-da-cacaia/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+CronicasSurdez+%28Cr%C3%B4nicas+da+Surdez%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI NO BLOG!!!
SEU COMENTÁRIO FAZ TODA DIFERENÇA!!!

Um comentário é o que você pensa, sua opinião, alguma coisa que você quer falar comigo.

BJOS SINALIZADOS.